DICAS DE EDUCAÇÃO
« voltar   
Obesidade Infantil...
BRUNO YAMADA: Nutricionista / GABRIELE R. CAVACA: Nutricionista e Personal Diet

       O Foi-se o tempo que criança saudável era criança gordinha. Hoje a situação é assustadora: Cerca de 15% das crianças e 8% dos adolescentes sofrem de problemas de obesidade, e oito em cada dez adolescentes continuam obesos na fase adulta.

       A criança é influenciada, primeiramente, pela família nos hábitos alimentares. Os pais, encarregados da educação, devem adotar uma posição ativa junto da escola, devem supervisionar as refeições dos seus filhos, com a exigência de que a escola forneça refeições saudáveis.


       A escola é um ambiente propício para a aplicação de programas de educação em saúde, pois a mesma está inserida em todas as dimensões do aprendizado: ensino, relações lar-escola-comunidade e ambiente físico e emocional.


Segue algumas dicas para evitar a obesidade infantil:

    • Para que a criança tenha uma alimentação equilibrada, deve consumir, pelo menos, um alimento de cada um dos três grupos abaixo, em cada refeição:

    • Reguladores: frutas, verduras e legumes. São as fontes de vitaminas, minerais e fibras;

    • Energéticos: cereais, pães, macarrão, batata, mandioca, farinhas, etc. Estes são as fontes de carboidrato, que fornecem energia ao organismo.

    • Construtores: são ricos em proteínas, cálcio e ferro e compreendem as carnes de vaca e frango, peixes, ovos, leite e derivados e as leguminosas como os feijões, ervilha, lentilha, grão-de-bico, soja, etc;

    • Fixe os horários das refeições, pois a prática ensina disciplina às crianças e evita o consumo de lanches e guloseimas fora de hora: O ideal são 6 refeições diárias e evitar as beliscadas fora desses horários;

    • Não imponha dietas restritivas, principalmente nas crianças menores. Em fase de crescimento, o caminho é a reeducação alimentar: comer de tudo um pouco (alimentos saudáveis) e em quantidades adequadas;

    • Ignore o velho hábito de fazer o filho raspar o prato. Isso costuma provocar a perda da saciedade na criança, ou seja, ela deixa de ter o próprio limite de saturação;

    • Evitar muitas brincadeiras na mesa: hora de comer é hora de seriedade;

    • Não faça da comida uma forma de recompensa ou moeda de troca.
      Exemplo: oferecer um sorvete se o filho se sair bem na escola ou comer toda a salada. “Coma toda a sopa para ganhar a sobremesa”. Passa a idéia de que tomar sopa não é bom e que a sobremesa é que é o máximo;


    • Incentive seus filhos a praticarem esportes ou atividades físicas;

    • Dar o exemplo: as crianças e muitas vezes ainda os adolescentes seguem os exemplos e os hábitos dos pais. Não adianta mandar tomar sucos e somente beber refrigerantes. Orientar dietas e atitudes saudáveis e fazer diferente disso.
 
Rua Bartira, 24 - Perdizes - São Paulo - SP - Tel.: 11 3926-9996